Institucionalização

Em 10 de outubro de 1976 é registrado no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) o logotipo da Universidade. É constituído o Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), antes Departamento de Lingüística do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH).

A inauguração de vários pavilhões em 1978 amplia a estrutura física da Universidade e dá-se por encerrada a implantação da Unicamp. Com ela termina a administração de Zeferino Vaz, que passa a presidir a Fundação para o Desenvolvimento da Unicamp (Funcamp), recém-constituída. O professor Plínio Alves de Moraes, da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), assume a Reitoria.

O atendimento ambulatorial no Hospital das Clínicas (HC) do campus tem início em fevereiro de 1979, ano da implantação do Instituto de Geociências (IG) e do Instituto de Artes (IA). Em 1980 a Faculdade de Ciências Médicas (FCM), desenvolve programas visando cumprir os seus objetivos com a comunidade.

Em 1982 o ginecologista e obstetra José Aristodemo Pinotti assume como reitor efetivo da Unicamp e são criadas a Assessoria de Imprensa, o Centro de Comunicação e a Editora inicia suas atividades. A Prefeitura do campus é instalada em 1983 e criado o Centro de Convivência Infantil, e amplia-se a discussão da reforma institucional. Surge a Orquestra de Câmara da Universidade. Instalado em 1984, o Centro de Informação e Difusão Cultural (CIDIC) para implantar os Sistemas de Bibliotecas e de Arquivos. Contrato de empréstimo impulsiona o término das obras do Hospital das Clínicas (HC). É oficialmente criado o Instituto de Geociências (IG).

Novas unidades surgem em 1985: a Faculdade de Educação Física (FEF); e da Faculdade de Engenharia de Alimentos e Agrícola (FEAA) originam-se a Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) e a Faculdade de Engenharia Agrícola (FEAGRI) além do Centro de Saúde da Comunidade e do Centro de Hematologia e Hemoterapia (Hemocentro).